MERCADO DE TRABALHO EM CRISE

Assalariados na defensiva fazem greves contra ilegalidades e precarização

dieese1e06f42-9d56-4dd5-bf2b-b6c78b0b7cba

No primeiro semestre ocorreram 366 greves no país, segundo informações divulgadas pelo Dieese. Nada menos que 92% continuam questões defensivas na pauta.

Na esfera privada, a luta foi contra ilegalidades como atrasos salariais.

Nas estatais, contra os desinvestimentos e a precarização que acompanham os projetos de privatização.

No funcionalismo, as greves ocorreram sobretudo em resposta a perdas salariais, que tendem a ser agravadas se for aprovada a PEC 32, a famigerada reforma administrativa do governo Bolsonaro.

As greves denominadas defensivas, segundo o Dieese, são as que se caracterizam pela proteção de condições de trabalho vigentes, ameaçadas por algum tipo de deterioração; pelo respeito a condições mínimas de trabalho, saúde e segurança; ou contra o descumprimento de direitos estabelecidos em acordo, convenção coletiva ou legislação.

Paralisações que visam ao atendimento de reivindicações que ultrapassam o âmbito das relações de trabalho são classificadas como greves de protesto. E, por fim, quando uma categoria paralisa suas atividades em apoio à mobilização de outros trabalhadores, trata-se de uma greve de solidariedade.

Neste primeiro semestre, 92% das greves incluíram itens de caráter defensivo na pauta de reivindicações, sendo que tanto a menção ao descumprimento de direitos como à manutenção de condições vigentes ocuparam a mesma proporção (53%) na pauta.

As pautas defensivas, diferentes das que predominavam em tempos de prosperidade, reflete tanto a grave crise econômica, cujo principal sinal é o desemprego em massa, quanto as políticas neoliberais focadas na destruição do Direito do Trabalho e entrega do patrimônio público aos grandes capitalistas.

Leia maiores detalhes da pesquisa aqui

Portal da CTB

Comentários