O SUS NÃO PODE PARAR

Movimentos sociais realizarão 2ª Marcha em Defesa da da Saúde, da Securidade Social e da Democracia

marcha1

Os movimentos sociais e sindical, articulados com o Conselho Nacional de Saúde (CNS), realizam no próximo dia 6 de julho, a 2ª Marcha em Defesa da Saúde, da Seguridade Social e da Democracia. O objetivo é reunir mais de 20 mil pessoas, em Brasília.

A marcha visa reafirmar a necessidade de fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), em defesa de uma saúde pública universal, e denunciar os ataques à democracia, e aos direitos da classe trabalhadora conquistados a duras penas.

Não são poucos os ataques às conquistas que o povo brasileiro arduamente garantiu por meio da luta, como parte integrante da nossa Constituição Cidadã. Seja através de projetos que tramitam na Câmara e no Senado, e pelas ações adotadas pelo governo interino, o fato é que somente com mobilização e organização será possível barrar a extinção de nossos direitos.

Neste sentido, o Conselho Nacional de Saúde, em articulação com diversas entidades e movimentos em defesa da democracia, convoca a sociedade brasileira a não permitir retrocessos.

Já no setor da saúde, o anúncio de limitação dos gastos com ações e serviços públicos de saúde demonstra que a saúde, e consequentemente, a seguridade social encontram-se sob ameaça. Nesse contexto, além da 2ª Marcha, diversas atividades em defesa do SUS serão promovidas em

conjunto nas principais capitais brasileiras.

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) conclama todos a irem as ruas em defesa da saúde, da seguridade social e da democracia. É chegada a hora de lutar pelas conquistas garantidas na Constituição de 1988 e, para que não haja nenhum retrocesso, as ruas devem ser palco

permanente das mais variadas manifestações.

Cabe destacar que, dentre as primeiras ações do governo interino de Michel Temer, está o ataque ao Sistema Único de Assistência Social (SUAS), com a extinção do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS); a intenção de flexibilizar a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e fazer uma ampla reforma na previdência, iniciando este processo com a extinção do Ministério da Previdência.

marcha2

Confira as principais bandeiras do movimento:

• A defesa do SUS

• A defesa da seguridade social

• A defesa dos direitos sociais

• A defesa da previdência e assistência social

• Contra qualquer ataque aos direitos trabalhistas

• Contra qualquer forma de retrocesso.

Todos em Brasília no dia 6 de Julho a partir das 9 horas.

Concentração em frente a Catedral Metropolitana de Brasília.

materiatiago

Comentários